Por que Parei de Perder Peso?

Por que Parei de Perder Peso?

Por que Parei de Perder Peso?

Por que Parei de Perder Peso?

Donald Vega, Treinador desportivo e Nutricionista

O peso indicado pela balança é tomado como ponto de referência por aqueles que estão em busca de melhorar a sua saúde através da prática de atividades físicas, mudanças de alimentação ou ambos. Nesses casos pode surgir um momento em que surge a dúvida “Por que não estou mais perdendo peso?”.

O primeiro e mais importante é entender que a perda de peso não significa necessariamente a perda de gordura, o que parece ser o verdadeiro objetivo da maioria das pessoas. Vejamos o seguinte:

O peso é formado pela quantidade de água, músculo, gordura, osso, tecido conjuntivo (como ligamentos e tendões), assim como o peso de todas as vísceras. Há uma parte desse peso que é essencial para o bom funcionamento do corpo, como a água corporal.

O peso muscular é considerado como um indicador de longevidade, ou seja, quanto mais massa muscular tiver um indivíduo, mais saudável será quando ficar mais velho, além de que o músculo que está em estado de repouso se alimenta de gordura, em outras palavras, a maior massa muscular, maior o consumo de gordura, algo chamado metabolismo basal.

O osso e o tecido conjuntivo e as vísceras são outros componentes do peso que também são essenciais para o bom funcionamento do corpo.

No caso da gordura, há uma quantidade mínima necessária, tanto para homens como para mulheres, para que haja compatibilidade com a vida.

 

De todos estes componentes mencionados, a gordura tende a acumular-se em excesso na maioria das pessoas, e se a pessoa perder peso, o ideal é que este seja de gordura. Para perder peso, a abordagem tradicional é a de se submeter a uma dieta baixa em calorias enquanto faz exercício, algo que, na maioria dos casos, realmente ajuda na eliminação de peso. Se, no entanto, rapidamente se atinge um ponto de equilíbrio onde se deixa de perder peso, é possível que esteja passando por qualquer um dos seguintes cenários:

Dieta baixa em calorias

A pessoa começa com exercícios aeróbicos e uma dieta baixa em calorias, o que termina por provocar um déficit de energia que o corpo buscará compensar. Se esse déficit chega a ser extremo, o corpo entra em um comportamento de geração de moléculas de glicose ou açúcar no sangue (necessária para o bom funcionamento do cérebro e dos músculos durante o exercício), a partir da massa muscular através de um processo denominado gliconeogênese. Quando se dá gliconeogênese, o corpo começa a comer a massa muscular para gerar energia, o que resulta em uma perda de peso de massa muscular e água.

Desvantagem: Uma dieta baixa em calorias, é impossível de manter, a longo prazo, e logo a pessoa voltará a comer semelhante a como o fazia antes, somado ao fato de que agora o metabolismo é mais lento, porque ele perdeu massa muscular. Geralmente a pessoa volta a ganhar o peso perdido e mais um pouco.

Outro fator importante neste ponto é que o exercício aeróbico depois do minuto 11 demonstrou produzir uma grande quantidade de cortisol (hormônio que mantém o corpo em equilíbrio perante o estresse do exercício), o que favorece a conversão de massa muscular e a glicose, um pouco do tudo que não é bom para quem busca queimar gordura.

Dieta livre de gorduras

Muitas pessoas tendem a pensar que as gorduras produzem excesso de peso, no entanto nem todas as gorduras são más. Algumas substituem o maior consumo de carboidratos. O ser humano gera gordura ou triglicérides e colesterol a partir das reservas de glicose em excesso que se obtenham os alimentos. A fonte energética por excelência para o cérebro é a glicose, e o corpo humano reserva da glicose no fígado e na massa muscular.

Desvantagem: Quando ambos os reservatórios foram cheios depois de uma refeição saudável em carboidratos, o excesso de glicose é transformado em triglicérides (gordura), e colesterol. Em outras palavras, são armazenados como gordura corporal.

Aumento de massa muscular

Se a pessoa inicia uma rotina de levantamento de peso, é possível que no início não vá ter uma perda de peso. No entanto, isso não significa que não esteja perdendo gordura, caso contrário, o aumento de massa muscular vai aumentar o metabolismo e, consequentemente, vai provocar uma perda de gordura corporal.

Desvantagem: Muitas pessoas se baseiam apenas no peso e não no percentual de gordura. A pessoa pode se desmotivar da rotina de levantamento de peso, e, consequentemente, abandonar o programa e perder massa muscular. Neste caso recomenda-se paciência e consistência com o exercício, já que é necessário tempo para que o metabolismo basal aumenta.

Por que Parei de Perder Peso?

Por que Parei de Perder Peso?

Dormir tarde

A pessoa faz exercício e cuida da sua alimentação, mas deita muito tarde. Por programação hormonal a regeneração e o crescimento muscular resultante de um adequado programa de exercício se dá entre as às 22h e as 2h. Isto significa que, se uma pessoa que faz exercício costuma dormir a meia-noite para ver televisão ou navegar na internet, está perdendo um 50-75% do potencial de regeneração.

Desvantagem: Esta, por sua vez, aumenta os níveis de cortisol, que favorecem a gliconeogênese ou consumo da própria massa muscular para gerar glicose, embora o corpo esteja saturado esta como resultado da última refeição.

Resistência à leptina

A leptina é um hormônio que é responsável por informar ao cérebro o estado nutricional de todas as células. É o principal regulador dos níveis de energia de cada célula, e quando a comunicação falha, o cérebro não tem como saber o que está acontecendo na periferia. Se não interpretamos o sinal da leptina, continuamos comendo por meio de compulsão e não sabemos quando estamos satisfeitos.

Como se torna resistente à leptina? O consumo de óleos vegetais poli-insaturados demonstrou gerar uma recarga de ácidos graxos Ômega-6, que têm uma natureza pró-inflamatória sobre os Omega-3, que são anti-inflamatórios. A relação normal entre Omega-3:Omega-6 deve ser de 1:4. O fumo e o consumo de açúcares refinados demonstraram também gerar resistência à leptina através da inflamação da barreira que esta molécula deve atravessar o cérebro.

Desvantagem: Quando se tem resistência à leptina, o funcionamento da glândula tireoide deixar de queimar o excesso de energia que foi consumida durante o dia. A nível muscular, a leptina estimula a dissipação de energia que foi consumida em excesso durante uma refeição, com o que não é capaz de gerar a mensagem, aquela pessoa que come em excesso alimentos não pode eliminar essa energia em forma de calor e então será armazenada na forma de gordura.

  • Add Your Comment